Estudo revela que água da superfície está vazando para o centro da terra

Por séculos, o interior da Terra permaneceu imerso em mistério, uma vastidão inexplorada que desafia a curiosidade humana. A dificuldade de perfurar grandes profundidades, somada à intensificação das temperaturas, sempre impôs obstáculos significativos a essas investigações. No entanto, avanços recentes proporcionam uma visão mais clara das dinâmicas que ocorrem nas profundezas do nosso planeta, revelando segredos fascinantes sobre as diferentes camadas que compõem o núcleo terrestre.


As Camadas da Terra: Uma Jornada nas Profundezas

A litosfera, a faixa rochosa externa e fina, inicia a jornada nas entranhas da Terra, variando de 70 a 150 quilômetros de profundidade. Ao adentrar a astenosfera, uma fina camada do manto, percebemos a interação com o manto inferior, uma região ainda mais quente, estendendo-se por cerca de 400 quilômetros rumo ao centro do planeta. Mais profundamente, encontramos o núcleo externo, uma fusão líquida de ferro e níquel, situada entre 2900 e 5150 quilômetros de profundidade. E no ápice desse intrincado conjunto, o núcleo interno, sólido devido à intensa pressão, atinge a profundidade máxima de 6400 quilômetros, desempenhando um papel crucial na formação do campo magnético terrestre.


Água nas Profundezas: Uma Revelação Surpreendente

Além das camadas conhecidas, descobertas mais recentes revelam a existência de uma camada fina, localizada entre o manto e o núcleo externo. Uma equipe internacional de pesquisadores trouxe à luz uma compreensão mais profunda desse fenômeno intrigante. De acordo com suas pesquisas, a água presente na superfície terrestre está migrando em direção às camadas mais profundas, interagindo com o núcleo externo e formando uma película distinta. Essa descoberta, publicada na revista Nature Geoscience, sugere que esse processo ocorre ao longo de bilhões de anos, impulsionado pelos movimentos das placas tectônicas.


Reações Provocadas pela Água no Núcleo Terrestre

Ao se aproximar do núcleo externo, a água desencadeia alterações significativas no material presente. Em experimentos conduzidos sob alta pressão, os pesquisadores observaram a formação de uma camada rica em hidrogênio e pobre em silício. Esse fenômeno levanta a possibilidade de outras reações, incluindo a formação de cristais nessa zona. O cientista Dan Shim, um dos autores do estudo, comenta: “Descobrimos que quando a água atinge o limite entre o núcleo e o manto, ela reage com o silício no núcleo, formando sílica.” Essas descobertas desafiam concepções anteriores sobre a troca de materiais entre o núcleo e o manto, apontando para uma interação mais dinâmica do que se pensava.


A compreensão das camadas internas da Terra é uma jornada contínua, repleta de surpresas e descobertas que ampliam nosso conhecimento sobre o planeta que chamamos de lar. A presença da água nas profundezas, sua interação com o núcleo terrestre e as reações resultantes abrem novas perspectivas sobre a dinâmica interna da Terra. À medida que os cientistas desvendam os mistérios das profundezas, somos lembrados da complexidade e da beleza do nosso planeta, continuamente revelando seus segredos para aqueles dispostos a explorar as fronteiras do conhecimento.

+Nenhum comentário. Seja o primeiro

Adicione